fa6bb896-62da-4b68-b555-ddd42d0ed60f.jpg

CENTRO PSICOTERAPÊUTICO DE RECUPERAÇÃO DE DEPENDÊNCIA QUÍMICA E ALCOOLISMO 

RESTART

LIGUE AGORA E TENHA MAIS INFORMAÇÕES CLICANDO NOS TELEFONES:62999990195

 

OU CLIQUE NO ÍCONE DO WHATSAPP E FALE DIRETAMENTE CONOSCO

NÃO DEIXE SEU ENTE QUERIDO MORRER OU FICAR SOFRENDO NAS VÍCIO!

Tudo posso naquele que me fortalece.
Filipenses 4:13

 

O QUE É UMA INTERNÇÃO INVOLUTÁRIA?

 

Uma das formas pelas quais os dependentes químicos podem ser internados em um centro psicoterapêutico de recuperação para tratamento contra o vício é através da internação involuntária.

 

Sabe-se que há outras formas muito eficazes de tratamento de um dependente de substâncias químicas, como drogas ilícitas ou álcool, mas poucas são tão eficazes quanto a internação.

 

Nesses locais, os pacientes encontram tranquilidade e todo o auxílio necessário para que possam recuperar-se plenamente, em um ambiente construído especialmente para essa finalidade.

 

Em comparação com outras formas de tratamento, a taxa de sucesso daquele feito com base na internação em um centro psicoterapêutico de recuperação é muito alta, mostrando a importância desse método.

 

Estando internado de forma total em um centro psicoterapêutico de recuperação desse tipo, o paciente fica longe de qualquer possível gatilho que possa leva-lo ao uso de substâncias químicas novamente.

 

Quando o dependente químico encontra-se em uma situação em que ele já não pode mais distinguir os problemas que possui, não aceitando sua condição e a doença que o está atingindo, a internação involuntária é necessária.

 

Essa é uma forma de internação quando o indivíduo não deseja ficar internado nem receber tratamento, precisando que um familiar ou responsável faça a requisição do tratamento.

 

Para que ele possa entrar e sair du centro psicoterapêutico de recuperação, o local precisa tomar algumas providências, incluindo não permitir que a alta seja requisitada pelo próprio paciente, como ocorre na internação voluntária.

 

O que é a internação involuntária para dependentes químicos ?

 

A internação involuntária é um tipo de internação de dependente químico em que não há consentimento do mesmo, não sendo-o necessário.

 

Esse método de tratamento é indicado quando a pessoa que possui um vício já não possui mais controle sobre a situação e nem sobre si mesmo, fazendo uso indiscriminado de substâncias químicas sem pensar nas consequências.

 

A partir do momento em que esse dependente passa a representar um risco para sua própria vida e também para a vida das pessoas ao seu redor, a internação involuntária se faz extremamente necessária.

 

Além do risco de maior propensão à violência, a dependência química não tratada pode ocasionar problemas renais, hepáticos, neurológicos, pulmonares e cardíacos.

 

Por conta disso, a internação involuntária passou a ser objeto de uma lei, no ano de 2001, facilitando o pedido por parte dos familiares ou até mesmo de um médico responsável.

 

Como esse tipo de internação é feito contra a vontade do dependente químico, então o tratamento e a adesão a ele são bem mais complicados, necessitando de um plano de ação bem estruturado pela equipe dacentro psicoterapêutico de recuperação.

 

De uma forma geral, a internação involuntária é vista como a última opção para tratar uma pessoa com dependência química, após ela todas as tentativas de lidar com ela e com o problema terem falhado anteriormente.

 

Por mais que muitos ainda vejam esse tipo de internação como desumano, já que ele é feito contra a vontade do indivíduo, essa forma de tratamento apenas demonstra a preocupação da família com seu ente querido.

 

Mesmo sabendo que ele não deseja ser internado e que será difícil para ele estar naquela situação, os familiares preferem vê-lo sendo bem tratado e conseguindo superar o vício que possui ao invés de ficar apenas observando sem ação.

 

Mas quem realmente pode requisitar a internação involuntária e como é feito o pedido?

 

Como é feito o pedido de internação involuntária?

 

A internação involuntária é aquela em que não há o consentimento do paciente, como foi dito, pois ele não reconhece o problema que possui nem deseja ser tratado voluntariamente para superá-lo.

 

Esse procedimento pode ser realizado pela própria família, após encontrar um centro psicoterapêutico de recuperação que considere adequada para o tratamento do paciente, e dar entrada no pedido.

 

É preciso que o centro psicoterapêutico de recuperação em questão conte com o serviço de busca e remoção do indivíduo até o local da internação, pois muitas vezes se enfrenta uma grande resistência por parte dele.

 

Após o pedido de internação involuntária ter sido feito pela família, o procedimento pode então ocorrer.

 

Quando se deve solicitar a internação involuntária?

 

Uma das maiores dúvidas de quem precisa internar um familiar de forma involuntária é sobre quando é o momento de fazer essa requisição.

 

Muitas vezes a família acaba postergando o momento da internação, sempre acreditando que o dependente químico irá conseguir recuperar-se sozinho, ao perceber o problema que possui.

 

Outras vezes os familiares fecham os olhos para a real situação e tentam não ver o que está acontecendo, até que a situação torna-se insustentável.

 

O momento certo para requisitar a internação involuntária é quando o dependente químico passa a representar risco para a sua própria vida e/ou para a vida de outras pessoas, como seus familiares.

 

Essa é vista como a única forma de proteger a vida daquele indivíduo e permitir que, aos poucos, ele possa começar a ressocializar e voltar a viver normalmente em sociedade.

 

Como é o tratamento para dependentes químicos ?

 

Quando um indivíduo é internado de forma involuntária, o psiquiatra indica a melhor forma de tratamento para ele, baseado em como está a sua saúde mental e física no momento da chegada ao centro psicoterapêutico.

 

E qual é a forma de tratamento de dependentes químicos que foram internados involuntariamente e precisa de tratamento 24 horas no centro psicoterapêutico?

 

O tratamento em um centro psicoterapêutico de recuperação deve durar, no mínimo, 90 dias para que algum resultado possa ser observado no paciente.

 

O tempo médio de tratamento gira entre 90 a 180 dias, com alguns casos sendo necessário o paciente passar mais de 6 meses no local para conseguir recuperar-se totalmente.

 

Tudo isso dependerá do estado do dependente químico ao chegar no centro psicoterapêutico de recuperação e de como ele reagirá ao tratamento que estiver recebendo.

 

Aliás, é importante que a saúde mental e física dele seja bem avaliada ao chegar na centro psicoterapêutico de recuperação, para que as indicações de tratamento sejam as mais assertivas possíveis.

 

O paciente poderá receber tratamento baseado em acompanhamento terapêutico individualizado (com psicólogos e psiquiatras), terapia em grupo com outros pacientes, prática de atividades físicas, alimentação adequada, etc.

 

Tudo isso irá influenciar diretamente em como o paciente conseguirá reagir ao tratamento a que ele está sendo exposto, fortalecendo-o de todas as formas.

 

À medida que o paciente for apresentando melhoras quanto ao vício que possui, é possível ir realizando uma transição para a internação parcial.

 

Assim, ele poderá começar a ir para casa e ficar com a sua família na parte da noite, o que ajuda bastante na ressocialização do indivíduo, ao invés de o mesmo receber alta de uma vez após um grande período de internação.

 

Toda a eficácia do tratamento, na internação involuntária, passa por todos esses detalhes que precisam ser considerados.

 

Como é a alta na internação involuntária?

 

A internação involuntária só é dada por encerrada a partir do momento em que o  responsável pelo centro psicoterapêutico de recuperação determina a alta do paciente.

 

Para isso, ele deve apoiar-se em parâmetros técnicos, da mesma forma que para aceitar a internação involuntária do paciente, para explicar os motivos pelos quais o dependente químico está recebendo alta.

 

Uma outra possibilidade de alta nesse tipo de internação é por meio da solicitação da família ou do responsável legal, mas o médico psiquiatra pode contestar esse pedido.